O NeoMatrix Tech está de casa nova!

Você deverá ser redirecionado em 6 segundos. Se não, visite:
http://www.leonelfraga.com/neomatrixtech
e atualize seus favoritos.

Aviso IMPORTANTÍSSIMO!

Aviso aos navegantes:

O NeoMatrix Tech mudou de casa!!!

A partir de agora, acessem pelo novo endereço:

http://www.leonelfraga.com/neomatrixtech

Ué... mas é só o domínio mudou de lugar?

R: Na verdade, não é bem assim hehe. Este domínio que você acessa agora aponta para um blog hospedado no Blogger, enquanto no novo, aponta para um blog na plataforma Wordpress, hospedagem própria, muito mais rápida e com um layout mais agradável de ler ;)

Não vou fechar este domínio igual ao que eu fiz com o NM Light (que já está 100% na nova plataforma). Talvez beeeeeeem depois eu faça isso.

Todos os posts daqui se encontram lá, e novos posts serão colocados somente no novo endereço.
A única coisa que não consegui importar foram os comentários. Mas em breve vai ter um post contando sobre a epopéia que foi migrar o NeoMatrix Tech!

Somente vou fechar a área de comentários daqui. Caso queiram comentar, favor ver o post correspondente no "Novo NeoMatrix Tech" e comentem por lá. É bem melhor! (pena que os permalinks "amigáveis para SEO" não funcionam lá, dá erro 404 e não consigo fazer a configuração funcionar. E olha que eu já vi vários artigos falando desse assunto :( ).

Quem assina o feed, já está lendo o conteúdo do novo NeoMatrix Tech!

sábado, 29 de agosto de 2009

Pinnacle PCTV 110i x Windows Media Center x Media Player Classic x VLC Media Player

pctv110i Não há muuuuuito tempo atrás, eu assistia ao programa “O Aprendiz”, com Roberto Justus, e como todo geek, assistia no computador ao invés de descer para a sala e ver pela TV.

Para tal, possuo como hardware de sintonia de TV a placa de captura Pinnacle PCTV 110i, uma plaquinha antiga até, mas que tem me funcionado bem.

Meu computador é equipado com processador Core 2 Duo E8400 (3 GHz), 4 GB de memória principal, 500 GB de disco rígido, placa de vídeo com processador gráfico Radeon HD 4870, ou seja, este hardware não tem o porquê causar algum gargalo na captura de vídeo.

Quanto ao sistema operacional, utilizo em meu PC o Windows Vista, versão Ultimate, que por sinal, roda muitíssimo bem.

Quando instalei a Pinnacle PCTV 110i no Windows Vista, este IMEDIATAMENTE instalou os drivers adequados. Sim, o próprio Vista possui em seu banco de drivers um driver para a PCTV 110i. Eu estava pensando que seria uma epopéia para achar os drivers compatíveis com o Vista, uma vez que esta placa já esteja descontinuada.

Para não ter que instalar o software original que veio com a placa, pesadão (ele instala até o MSDE – uma espécie de SQL Server 2000 “Express”) e incompatível com o Vista, resolvi utilizar a placa com três tocadores de mídia, a saber: Windows Media Center, Media Player Classic e VLC Media Player.

Após o break, relato a você a experiência que tive em utilizar a Pinnacle PCTV 110i em cada um dos players citados.

1. Windows Media Center

O Windows Media Center é um programa que já vem incluído no Windows Vista, tem uma interface limpa e serve para visualizar diferentes tipos de mídia, tais como arquivos de vídeo, som, e claro, utilizar uma placa de captura para reproduzir e/ou gravar o que é passado através dela.

Windows Media Center x Pinnacle PCTV 110i

Para utilizar a Pinnacle PCTV 110i com o Windows Media Center, é necessário baixar um plugin chamado “Pinnacle PCTV Installer for Windows Media Center 3.0” (não achei o link para download). Instalando este plugin, o WMC poderá ser configurado para fazer a sintonia de TV e rádio através da PCTV 110i.

O assistente de configuração é simples, a placa foi configurada sem problemas para utilizar o sintonizador como fonte de áudio e vídeo.

Através da tela principal, é possível navegar pelas funções oferecidas pelo Windows Media Center, escolher a função desejada (TV, Rádio, etc), e fazer a sintonia de canais.

Interface limpa, bem acabada, fácil de operar, próprio para um Media Center. Mas, como na vida, nem tudo são flores, e tive alguns problemas ao utilizar o WMC:

- Delay entre áudio e vídeo na função de TV: Passado um certo tempo assistindo à TV, passo a notar um certo atraso entre o áudio e o vídeo. Assistir a um programa com esta situação não é nada agradável.

Reinicio o programa, e novamente, depois de um tempo tem esse maldito delay.

- Som picotado na recepção de FM: Na função de rádio, outro problema que incomoda muito. Passado um tempo, o som começa a ficar picotado.

Estes dois problemas são causados, pelo o que eu pude ler em alguns fóruns, pela função de timeshift, ou seja, aquela função que permite a “pausa de um programa ao vivo”, que fica gravando o programa no HD ao mesmo tempo que ele é reproduzido. Infelizmente, não achei maneira de desabilitar o timeshift.

- Para utilizar a entrada S-Video da placa, tenho que adquirir um hardware de controle remoto compatível: Sim, é isso mesmo o que você leu. Executando o assistente de configuração e selecionando como fonte de vídeo a entrada S-Video (através da opção de fontes de vídeo externa, set top box, satélite, etc), chega em um ponto que ele detecta o controle remoto. Como ele não consegue detectar o controle remoto da PCTV 110i, não há como concluir a configuração para assistir TV através de um decodificador de TV por assinatura, por exemplo.

Com uma experiência um tanto frustrada com o WIndows Media Center, passei a utilizar um outro programa, que é o meu padrão para assistir a vídeos.

2. Media Player Classic

Gratuito, versátil, sua interface lembra o antigo Windows Media Player 6.4, aquele que vinha com o Windows 98, porém, o leque de funcionalidades deste player contém coisas que o programa em que sua interface foi baseada nem sonhava em ter.

Media Player Classic x Pinnacle PCTV 110i

A opção para assistir pela placa de captura está na opção File / Open Device, que abre uma caixa para selecionar um dispositivo de entrada, e nos combo boxes eram apresentadas a Pinnacle PCTV 110i para origem de vídeo e áudio.

Dando OK, o player exibia o vídeo capturado pela placa, com uma configuração de entradas que utilizei em um outro programa. Beleza, parece funcionou!

E para mudar de canal e a entrada de vídeo?

Para isso, é necessário ir até o menu Play / Filters, Pinnacle PCTV 110i BDA Xbar e mudar em um combo a entrada de vídeo.

Dando Apply, cadê que ele me mudou a fonte de sinal… Que nada, ela continuou alí, gravada na configuração inicial que me foi apresentada.

Indo para outro programa, configurando a entrada, e voltando ao MPC o negócio funcionou. Agora vamos tentar mudar de canal.

Novamente, entro no menu Play, Filters, e agora seleciono a opção Pinnacle PCTV 110i BDA Analog TV Tuner e é me apresentada uma tela para a seleção de canais da placa.

Mudo de canal e dou OK. O programa me apresenta uma tela de erro e cai fora…

Erro do MPC ao mudar de canal...

Não dá para ficar exaltando a pátria a toda hora, e nessa hora deixei de ser brasileiro: desisti do Media Player Classic para utilizar a PCTV 110i e parti para outro programa.

3. VLC Media Player

Código aberto, multiplataforma (tem versões para Windows, Linux, Mac OS X, entre outros), vem com os codecs embutidos, várias opções de captura e streaming são os atrativos deste player, que em seu site contabiliza mais de 30 milhões de downloads.

VLC Media Player x Pinnacle PCTV 110i

Para poder utilizar a placa de captura, fui ao menu Mídia / Abrir Dispositivo de Captura, onde foi me apresentado uma tela para a seleção do dispositivo.

Deixei como Modo de Captura Direct Show, e selecionei a placa nos combos “Nome do Dispositivo de Vídeo” e “Nome do Dispositivo de Áudio”. Depois, cliquei em Reproduzir e o programa estava reproduzindo o que era capturado na placa.

Neste primeiro momento, sem áudio e o vídeo com cores esquisitas.

Resolvi dar uma olhadinha nas configurações avançadas, para mudar a fonte de vídeo e entrei em uma tela cheia de opções, e as que me interessaram foram as opções “Conector de Entrada de Vídeo” e “Conector de Entrada de Áudio”, além do checkbox “Propriedades do Sintonizador”.

Não mexi nas duas primeiras opções que citei, deixei o “Propriedades do Sintonizador” checado, dou OK e clico em Reproduzir. É aberta a tela de sintonia, onde podemos mudar o canal e o que será capturado: TV ou rádio FM. Coloquei FM, mudei a frequência (no mesmo lugar onde o canal de TV é trocado), dei OK e o rádio funcionou. Sem picote (somente os causados pela antena mesmo), sem delay, tudo funcionando OK.

Opções avançadas do dispositivo de captura no VLC

Resolvo seguir o mesmo caminho, e voltar para a TV. Agora o áudio funcionou. De novo, o mesmo caminho para mudar de canal. Troco de canal, dou OK, e cadê que ele mudou? Continuou no mesmo…

Vou até a tela de propriedades avançadas, e lá tem um spin button onde posso escolher o canal lá. Troquei o canal, dei OK, Reproduzir, e finalmente o canal é trocado!

Para trocar a fonte de vídeo, naquela tela de propriedades avançadas, mexo na opção “Conector de Entrada de Vídeo”, que no lugar de apresentar os nomes das entradas, é apresentado um número sequencial.

E para adivinhar quem é quem?

Tive que testar um por um, até que a imagem do decodificador de TV por assinatura ligado à entrada S-Video aparecesse no monitor. O áudio era capturado pela entrada Line In da placa de som.

Voltando ao sintonizador… novamente sem áudio, e fazendo toda aquela epopéia ele voltou a funcionar, ainda com as cores distorcidas. Para isto, ainda vou ver se é algum filtro do Direct Show que faz isso…

Aqui temos um parêntese: Este é um dos casos em que a usabilidade passa longe do Software Livre. Embora os freetards não deem tanta importância para isso, para muitos usuários a usabilidade é fundamental.

Resumo da ópera:

Windows Media Center:

Prós:

- Interface melhor acabada
- Configuração simples
- Operação simples

Contras:

- Delay entre vídeo e áudio na TV e som picotado no rádio FM, devido ao timeshift que não pode ser desabilitado
- Obrigatoriedade de um hardware de controle remoto compatível para poder utilizar a entrada S-Video

Media Player Classic:

Prós:

- Ampla variedade de formatos
- Interface minimalista, sem frescuras

Contras:

- Configuração um tanto tortuosa
- Travamentos constantes, impossibilitando mudança de canal e dispositivo de sintonia (TV ou Rádio)

VLC:

Prós:

- Código Aberto.
- Operações de mudança de canal, fonte de vídeo e modo do sintonizador funcionaram com sucesso.
- Áudio e vídeo sem delay ou picotes.

Contras:

- Configuração MUITO tortuosa
- Vídeo foi apresentado com diferença de cores, pendendo para o azul.

Enfim, essa foi a minha epopéia para utilizar a placa de captura Pinnacle PCTV 110i com o Windows Media Center, Media Player Classic e VLC. Na minha opinião, se eu conseguir ajustar o VLC para exibir as cores corretas, ele é o software que vou adotar para assistir TV no computador.

Embora muito complicado de configurar, foi o software que funcionou. Pelo menos para ouvir rádio, ele já é o meu padrão. O usuário comum certamente não o adotaria, devido às dificuldades.

Caso você tenha alguma sugestão, comente à vontade!

Um abraço!

Leia o restante deste post...

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Agora vai: Regulamentação da profissão de Analista de Sistemas

analise_sistemas

Depois de muita novela e muitas discussões, ontem, no dia 19/08/2009, a comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o projeto de lei (PLS 607/07), que trata sobre a regulamentação da profissão de Analistas de Sistemas e Técnico de Informática.

Agora o PL segue para análise da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) em decisão terminativa.

No projeto anteriormente aprovado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), somente profissionais com diploma superior em Análise de Sistemas, Processamento de Dados e Ciências da Computação poderão exercer a profissão de Analista de Sistemas.

Agora, se você possui diploma de nível médio, em escola oficial ou reconhecida, dos cursos (ou equivalentes) técnico em informática ou programação de computadores, poderá exercer a profissão de Técnico de Informática.

A proposta torna privativa do analista de sistemas "a responsabilidade técnica por projetos e sistemas para processamento de dados, informática e automação, assim como a emissão de laudos, relatórios ou pareceres técnicos". Ou seja, se der alguma m*, é o seu que estará na reta :P. Aliás, nós Analistas de Sistemas que somos a “ponte” entre o cliente e o programador.

Seriam criados o Conselho Federal e conselhos regionais de informática (assim como temos o CREA para os cursos de engenharia, o CRQ para químicos, entre outros) para sugar o nosso dinheiro cobrar anuidades e fiscalizar o exercício da profissão. Mas, conforme disse Marconi Perillo (PSDB-GO), o relator do PL, a criação por projeto de lei seria inconstitucional, pois isso é atribuição do Poder Executivo.

Mas será que a criação deste conselho vai resolver alguma coisa? O mercado de informática hoje é composto por pessoas das mais diversas áreas.

Quantas vezes você já não viu por aí pessoas com formação de administração, engenharia, medicina entre outras que chegam aos cargos de diretoria de grandes companhias? E inclusive passando pelo cargo de analista de sistemas.

Diploma NUNCA foi sinônimo de conhecimento. Ele significa que você cursou E concluiu um curso em uma instituição, seja ela de ensino médio ou superior. Em uma faculdade, temos noção de como são ALGUMAS coisas. Conhecimento mesmo se adquire com PRÁTICA.

Se isso for com o intuito de separar bons dos maus profissionais, essa teoria é furada. O próprio mercado faz esta separação.

É clássica a cena de empresas que contratam apenas vendo diploma, e muitas vezes um profissional sem o canudo é melhor, em muitos aspectos, do que aquele diplomado que fez seu curso em uma Uni* da vida.

Vendo por outro lado, não dá para confiar um sistema de missão crítica e alta disponibilidade e que mexem com vidas humanas (sistemas de controle de vôo, sistemas médicos, entre outros) nas mãos de qualquer um.

Mas espera ae… As empresas que desenvolvem sistemas desse porte passam por N certificações, homologações e o K7 a quatro. Ou seja, elas por si só já são BEM fiscalizadas. Um erro, e um processo pode ser fatal.

Essa história de regulamentar as profissões relacionadas à informática é longa. Não digo que sou contra a regulamentação, uma vez que já sou formado em Processamento de Dados e já posso exercer a profissão (inclusive, sou funcionário público com o cargo de Analista de Sistemas e me foi exigido o diploma na contratação) tranquilamente.

A parte que não é legal, é pagar as anuidades dos conselhos e passar por poucas-e-boas na hora que for precisar de seus serviços.

O (des)governo já nos estupra com os impostos sobre as mercadorias de informática, e agora quer aprontar mais essa? Eu hein…

Enfim, já que é para regulamentar, que façam a coisa direito e não prejudiquem os bons profissionais que por conta do destino não puderam pegar o seu diploma.

Um abraço!

[via Meio Bit e TI Inside]

Leia o restante deste post...

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Este é o iPhone Killer

Um camarada não muito contente com as políticas da Apple em relação ao iPhone, resolveu protestar de uma forma, digamos, inusitada:

Se não fossem estas políticas e outras limitações deste aparelho, eu compraria um sim. Quem sabe em uma próxima versão e quando ficar mais barato por aqui também?

Abraços!

[via MeioBit]

Leia o restante deste post...

sábado, 8 de agosto de 2009

Qual é a sua especialidade: Programar ou analisar?

Como já mencionei em postagens anteriores, estou trabalhando como Analista de Sistemas em São Caetano do Sul, e como o próprio cargo diz, estou mais analisando sistemas do que programando.

Eu sempre gostei de programar.

Em meu serviço anterior, eu ia levantar os requisitos com o usuário (ou até mesmo com meu chefe) e eu mesmo fazia a programação.

Isso mesmo. Tão logo chegava da reunião com o cliente, se não havia nenhuma tarefa pendente, sentava no micro e já começava a programar o sistema, desde a concepção do banco de dados até os testes, passando por todas as etapas do ciclo de vida do programa.

Agora o negócio é diferente: chego da reunião com o usuário, e faço mais a parte documentamental: relatório do levantamento, casos de uso, análise funcional, parte da especificação técnica. Programar fica para os desenvolvedores.

Consegui me adaptar à rotina da análise, e claro, não deixei de programar.

E confesso que o meu perfil, mesmo como analista, é bem mais técnico do que político. Sim, quando eu faço análise, já penso logo na implementação, o sistema fica todo na minha cabeça em forma de classes, métodos, selects, e tudo o mais.

Mas, eu gosto do que eu faço, pois a função de análise é um outro desafio: você tem que “traduzir” as vontades do usuário para um formato que o programador entenda. E não é só isso, tem muito mais :-)

E você, qual é a sua função preferida? Vote na enquete abaixo:


Um abraço!

Leia o restante deste post...

sábado, 1 de agosto de 2009

Uma situação não prevista: #FAIL

É praticamente impossível prever TODAS as situações durante o desenvolvimento de um sistema, seja durante a análise, a programação, o teste e demais etapas do ciclo de vida de um programa.

fail_20at_20failing

Estava fazendo um sistema que conversa com um webservice, que eu mesmo desenvolvi, quando me deparo com um resultado um tanto indesejável.

Veja este pequeno trecho de código:

public void atualizaUltimaConsulta(int parametro)
{
	this.executaSQL("update TABELA set DATA_ULT_CONSULTA = current_date, HORA_ULT_CONSULTA = (current_time - 20) where PARAMETRO = " + parametro.ToString(), false);
}

Esta função faz parte de uma rotina de verificação de histórico: o sistema chama o webservice, executa um método que retorna um histórico de alterações e no final confirma o recebimento disparando a rotina atualizaUltimaConsulta, colocando a data e hora atuais no banco de dados, para que a seleção de novos registros de histórico a serem enviados em uma próxima requisição seja sempre os após a última consulta.

Atualizo o banco de dados com um tempo de 20 segundos antes, para que novos registros inseridos durante o processamento sejam incluídos na próxima “rodada” de verificação de histórico.

Até aí nada demais, algo (quase) perfeitamente normal.

Só que…

Era por volta da meia-noite quando fiz o teste desta rotina, e nas execuções posteriores nenhum registro era retornado, embora satisfazessem as condições para que eles sejam retornados.

Po##a, tem registro na tabela e por que nao retorna? É o c@r@lh0 de asa fumegante e voador!

Resolvi checar a tabela onde é gravada a data/hora da última consulta e eis o que eu vejo: A data ele atualizou certinho, como eu executei a rotina de confirmação de consulta depois da meia-noite, ele gravou o dia atual. Porém, no campo de hora, o maledeto me gravou 23:59, por causa da diferença de 20 segundos que retirei da hora atual, ou seja, estes registros só iriam aparecer no dia seguinte :-(

Resumindo: uma #fail de dimensionamento de tipo de dado, pois se ele fosse timestamp ao invés de campos separados isso não teria acontecido…

Mas, em produção, isso nunca aconteceu hehe.

Um abraço!

Leia o restante deste post...

Sobre o NeoMatrix Tech

Meu blog para assuntos profissionais, ligado com tecnologia.
Dicas de programação (grande parte de C# e ASP.NET, mas não limitado a essa plataforma :-) ), dicas de utilitários, análises de equipamentos e serviços, resenhas sobre sites que eu visito, relacionados com tecnologia, opinião sobre mercado de trabalho, metodologias de desenvolvimento, comportamento no mundo tecnológico...

NeoMatrix Light

  © Blogger templates ProBlogger Template by Ourblogtemplates.com 2008 - Editado e configurado por Leonel F.

Voltar ao TOPO